História do projeto e da construção da ponte: faz parte do trabalho

A construção da ponte começou em 1933, no meio da Grande Depressão. A taxa de desemprego estava em 25% e a disputa por trabalho era grande. Com exceção de cargos altamente especializados, a ponte foi construída com mão de obra local. Além do pagamento, os homens que trabalhavam na ponte tinham um incentivo especial. Eles sabiam que estavam construindo mais do que apenas uma outra ponte: ela seria uma das maiores obras da engenharia moderna.

O clima era geralmente frio, com vento e nevoeiro. O trabalho tinha que ser feito dentro de espaços apertados. Subir e caminhar nas alturas em cima da ponte era ao mesmo tempo perigoso e assustador.

A segurança era uma prioridade. Os operários usavam capacetes, óculos de proteção contra o vento e lanternas presas à cabeça para as áreas escuras e fechadas - era a primeira vez que isso acontecia na construção de pontes. A primeira mão de tinta, o primer, continha chumbo para impedir que o aço enferrujasse. Os operários usavam máscaras para protegê-los dos vapores de chumbo durante a instalação de rebites quase incandescentes, ou seja, aquecidos a rubro. Atualmente, as tintas usadas na ponte não contêm chumbo.

Outra inovação na construção de pontes foi a instalação de uma rede de segurança durante a construção. Os 19 homens que caíram e foram salvos pela rede cunharam um nome para si mesmos, o "Clube a meio caminho do Inferno". A ponte só teve uma morte até fevereiro de 1937. Depois, um pesado andaime despencou e passou pela rede, causando a morte de 10 homens. Embora trágico, o número de vidas perdidas foi muito baixo comparado com o tamanho do projeto e os perigos envolvidos.

Mais imagens


Rebitador saindo pela porta da torre.


Capacete, óculos e máscara – todos usados pela primeira vez em construção de pontes.


Membros do "Clube a meio caminho do Inferno" olham do tabuleiro da ponte para a rede de segurança abaixo que salvou suas vidas.


Uma inovação da Ponte Golden Gate, uma rede de segurança foi armada para amparar os operários se eles caíssem durante a construção do tabuleiro.